Crehnor Sul - Quem coopera sempre alcança

Crehnor Sul - Quem coopera sempre alcança

Vote na enquete do Mundo Piratini

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Veículo capota na saída da cidade

Condutora utilizava cinto de segurança e não sofreu ferimentos.
Um automóvel Corsa Classic, de cor branca, capotou no início da tarde desta quarta-feira (17), na fusão da rua Erotildes Peres de Ávila com a ERS-702, saída do município.

O acidente ocorreu por volta das 13 horas e culminou apenas em danos materiais. A condutora e única passageira do veículo, estava visivelmente abalada e solicitou que não fosse identificada.

Conforme descreveu a mulher para populares, o motivo que ocasionou o acidente foi a tentativa de desviar de uma motocicleta que vinha no sentido inverso.

A motorista não sofreu nenhum ferido, provavelmente devido ao fato de estar utilizando o cinto de segurança na hora do sinistro. Seu carro não necessitou ser guinchado, sendo apenas rebocado com auxílio de outro automóvel.

A Brigada Militar esteve no local, todavia como não houveram vítimas foi feito apenas o registro do ocorrido.

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Promotora de Piratini será removida para São Lourenço do Sul

Cristiana Müller Chatkin, 42, atuou por 12 anos no município.
Natural de Pelotas, a promotora Cristiana Müller Chatkin, 42 anos, despede-se da Comarca de Piratini nesta semana, após estar a frente da Promotoria de Justiça local por um tempo aproximado de 12 anos.

Chatkin, que iniciou a carreira no Ministério Público como promotora na 1ª Promotoria de Justiça de Santa Vitória do Palmar, onde ficou por cerca de 1 ano e meio, foi transferida para a primeira Capital Farroupilha no segundo semestre de 2002. 

A promotora elucidou na manhã desta quarta-feira (17), em entrevista a reportagem do Mundo Piratini, que será removida para a 2ª Promotoria de Justiça de São Lourenço do Sul, a qual já havia assumido interinamente como substituta nos meses de outubro e novembro deste ano. 

“Gostei da Promotoria de São Lourenço. Pelo fato de possibilitar uma maior rapidez no trânsito em direção à Pelotas, eu optei por fazer essa mudança. Acredito que eu vá ser muito feliz lá, como fui neste tempo que fiquei aqui”, exprimiu.

Acerca da expectativa na nova Comarca, Cristiana mostrou-se otimista. “Espero poder desempenhar meu trabalho com novos desafios em São Lourenço do Sul. A mudança faz com que nós tenhamos uma evolução”, destacou, avaliando seu legado no município, “eu sempre tentei ser uma pessoa sem formalidades, tratando todos muito bem. Saio um pouco frustrada com mudanças que não consegui realizar, como aumentar os cuidados com o patrimônio do centro histórico de Piratini”. 

Indagada sobre quem viria a assumir a Promotoria de Piratini, Cristiana disse ainda não saber. “Agora vai demorar um pouco. Acredito que só em abril, mas creio que vários candidatos se inscreverão para vir para cá”, ponderou.

Em suas considerações finais, a promotora agradeceu aos colegas e comunidade piratiniense. “Quero dizer que a cidade ficará muito bem servida com os trabalhos do magistrado Alejandro Werlang e dos advogados que aqui atuam. Eu deixo um grande abraço para toda a comunidade e desejo à todos um natal e um ano novo repleto de amor, carinho e muita paz no coração de todos os piratinienses, que aqui muito bem me acolheram”, concluiu.

Cristiana Müller Chatkin pretende assumir a 2ª Promotoria de Justiça de São Lourenço do Sul no dia 18 de fevereiro de 2015.

Advogado falta e júri popular é adiado

Tribunal do Júri ocorrerá somente em 2015, segundo juiz Alejandro Werlang.
Mesmo com a presença do presidente do Conselho de Sentença, juiz Alejandro Werlang, da promotora de Justiça Cristiana Chatkin, dos candidatos à jurados, e do réu, o Júri Popular marcado para esta quarta-feira (17) precisou ser adiado.

Já ultrapassavam 15 minutos do prazo previsto para o início do julgamento, marcado para às 9h30min, e as dependências da Associação Atlética do Banco do Brasil (AABB) abrigavam um bom público, quando o togado Werlang anunciou que pela falta do advogado de defesa, o júri não poderia acontecer.

A data ainda deve ser remarcada, contudo o magistrado acredita que somente ocorra no ano que vem, quando deverá ser designado um novo grupo de jurados. A expectativa é que este Tribunal do Júri realize-se a partir de fevereiro de 2015.

Entenda o caso de tentativa de homicídio
Alex Sandro Guerreiro da Silva, 34 anos, foi sentenciado a ser julgado pelo Tribunal do Júri pela tentativa de homicídio ocorrida na manhã do dia 9 de novembro de 2013, na rua Honório Machado, bairro Cancelão.

Na oportunidade, o denunciado ex-companheiro de Charlene Madrugada dos Santos, 33, teria adentrado na casa de Charlene, desferindo duas facadas que atingiram respectivamente o punho esquerdo e as costas de Alisson Barbosa Souza, 19, que dormia no quarto com sua ex-namorada.
O crime teria sido praticado por ciúmes, o que configura o motivo torpe. Outrossim, dificultou a defesa da vítima, uma vez que a mesma encontrava-se dormindo na hora do fato. Posteriormente ao episódio, Alex voltou a enviar mensagens de texto ameaçando Charlene, o que motivou a Polícia a solicitar a prisão preventiva do acusado.

Silva ficou foragido por um pequeno período, sendo capturado na cidade vizinha de Pinheiro Machado a 9 de dezembro de 2013. Ele foi recolhido ao Presídio Regional de Canguçu, onde encontra-se retido.

Na fase das audiências judiciais, o acuso afirmou que os fatos não ocorreram conforme descrito. Disse que ainda era companheiro de Charlene e, ao chegar em casa deparou-se com Alisson deitado em sua cama junto com Santos. Segundo o réu, a vítima teria partido para as vias de fato, obrigando-o a repelir a agressão com uma faca que se encontrava na cabeceira da cama.

Por sua vez, Alisson narrou que estava dormindo quando foi atingido. Disse ainda, que apenas havia "ficado" com Charlene naquela noite, pois não eram namorados e ele nunca havia sido ameaçado por Alex Sandro.

Atendendo a denúncia do Ministério Público, o juiz da Comarca de Piratini Alejandro César Rayo Werlang proferiu sua decisão, determinando que o acusado fosse submetido a julgamento pelo Tribunal do Júri, o qual tem a competência para julgar crimes dolosos contra a vida.

APAE deve tornar-se patrimônio imaterial de Piratini

Projeto aprovado pelo Legislativo deve ser sancionado pelo prefeito nos próximos dias.
A Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE), deve tornar-se patrimônio imaterial do município, através do projeto de lei 41/2014, aprovado por unanimidade na Casa Legislativa na reunião de ontem (16).

O autor do projeto, Sérgio Castro (PDT), externou que a ideia de homenagear a APAE vem de um longo período. "Há alguns anos atrás, já havia feito uma lei que tornou a APAE instituição emérita, mas por tudo que ela faz em nossa cidade, eu tinha que criar algo novamente para que pudéssemos homenageá-la", explicou. 

Cláudio Dias (PMDB), que lidera a bancada de oposição na Câmara, parabenizou Castro, porém criticou a desvalorização do Poder Executivo com a APAE. "É uma justa homenagem a esta importante entidade. Esta Casa sempre tem dado o devido valor à ela, mas o Poder Executivo não vê desta mesma maneira. Pedimos para que os valores repassados para a APAE sejam aumentados, porém sem respostas do Executivo", exprobrou. 

O líder de governo Gilson Gomes (PP), cumprimentou Sérginho pelo projeto e elucidou que os situacionistas já foram criticados na Prefeitura por almejar melhorias para a APAE. "Houve uma certa época que tivemos que fazer um desabafo, pois fomos criticados lá dentro. Justamente por que sempre fizemos de tudo que está ao nosso alcance", esclareceu. 

Posteriormente ao ser aprovado pela Câmara de Vereadores, o projeto segue para a Prefeitura, onde deve ser sancionado pelo prefeito Vilso Gomes (PP). 

Projeto contra drogadição é aprovado no Parlamento

Proposta torna obrigatória a exibição de vídeos educativos anti-drogas nas aberturas de shows e eventos culturais em Piratini.
Foi aprovado unanimemente na Câmara de Vereadores de Piratini na sessão ordinária da tarde de ontem (16), o projeto de lei nº 40/2014, de autoria do vereador Daniel Morales de Moura (PMDB), que torna obrigatória a exibição de vídeos educativos anti-drogas nas aberturas de shows e eventos culturais no município.

Na defesa de sua proposta, Moura salientou o objetivo vislumbrado com a iniciativa. "Cada vez mais, os jovens acabam entrando mais cedo no mundo das drogas. Fazendo vigorar efetivamente esse projeto, queremos alertar para as consequências algumas vezes irreversíveis do uso de drogas ilícitas", argumentou.

Acerca da efetividade do projeto, Daniel enfatizou  que o mesmo já surtiu resultados satisfatórios em outras campanhas. "Dou como exemplo a campanha contra o tabaco, que diminuiu o número de fumantes no país em aproximadamente 40% nos últimos anos", mencionou.

"Muitos jovens acabam envolvendo-se em crimes para manter seu vício drogatidório. Além de colocarem sua própria vida em risco, acabam incluindo seus familiares junto com esse mal que assola a humanidade nos dias de hoje", explanou.

Seu correligionário Marcial Guastucci (PMDB), exprimiu suas saudações ao projeto. "Para mim a proposta é de suma importância. A questão das drogas atinge toda a comunidade, pois não existe como assegurar que nossos filhos não vão usar. A droga que usam hoje não é a mesma da década de 80, que tinha bem menor potencial lesivo. Chegamos a conclusão que o único jeito de combater é investir em prevenção", opinou Macega.

Cláudio Dias (PMDB), também parabenizou Moura e frisou sobre o modismo do uso de drogas. "A iniciativa vai alertar a todos sobre os riscos das drogas. Chegamos em um período que o uso de substâncias entorpecentes é um modismo, porém muitos não sabem da dificuldade de deixar esse vício", lembrou. 

O pedetista Sérgio Castro, elucidou duas leis de sua autoria, que contribuem com a questão anti-drogas. "Quero cumprimentar o vereador Daniel e dizer que eu tenho duas leis que foram aprovadas por unanimidade nesta Casa. O Dia da Consciência Jovem e a Semana da Conscientização Anti-drogas. São leis que vem a se somar, mas nós temos que cobrar do Poder Executivo sua realização", sustentou. 

"O foco principal como distribuidores são as escolas. Reconheço a importância deste seu projeto e registro meu voto favorável para o mesmo", exprimiu Gilson Gomes (PP), finalizando o debate. 

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Nota de Agradecimento

O Mundo Piratini, vem à público através desta nota, agradecer ao vereador Sérgio Castro, do Partido Democrático Trabalhista e aos seus pares da Câmara de Vereadores, pela aprovação por unanimidade nesta terça-feira (16), do Projeto de Lei 46/2014, que concede o título de Utilidade Pública ao Blog Mundo Piratini.

Esse título enaltece um trabalho desempenhado há aproximadamente 2 anos, que tem como principal intuito informar a população de nossa cidade, sobre os mais diversos acontecimentos e fatos de importância social, tornando-se assim um jornal diário em Piratini.

Nossas congratulações estendem-se ainda neste feliz momento, à todos nossos colaboradores, apoiadores, patrocinadores e leitores, que de alguma maneira incentivam e apoiam o trabalho que desempenhamos. 

Em uma memorável frase, diria Albert Einstein: "O único lugar em que o sucesso vem antes do trabalho é no dicionário". Por isso, esperamos continuar desempenhando a vital função como veículo de comunicação ativo, imparcial e social que realizamos.

Muito obrigado!


Tainã Valadão 
Criador, Redator e Repórter do Mundo Piratini

Câmara aprova utilidade pública para blogs do município

Projeto do pedetista Sérgio Castro que tornou Mundo Piratini e Eu Falei utilidade pública, foi amplamente elogiado na Casa Legislativa.
Foram aprovados por unanimidade na Câmara de Vereadores de Piratini na reunião desta terça-feira (16), os projetos de lei 45 e 46/2014, que tornaram respectivamente os blogs Eu Falei e Mundo Piratini utilidade pública do município. 

A proposta de autoria do vereador Sérgio Castro (PDT), objetivou respaldar os veículos de comunicação online da cidade, no qual se referiu o parlamentar como "sendo os jornais diários de Piratini". Para ele, as notícias muitas vezes são trazidas pelos blogs com maior agilidade que as rádios locais.

"Eu vejo como uma utilidade pública muito grande para o nosso município, pois são o nosso jornal escrito. Todas as informações são levadas através dos blogs. A Câmara de Vereadores hoje só tem esses dois veículos de comunicação explorando os serviços que ocorrem aqui na Câmara", justificou, ampliando na sequência "isso ampara os blogs judicialmente de muita coisa que pode acontecer. Juridicamente esse título pode ajudar inclusive na defesa de ações judiciais".

Em discussão do projeto, Daniel Morales (PMDB), parabenizou a iniciativa de Castro. "O nosso serviço aqui na Câmara chega a todos os leitores através do trabalho bem feito deles. Em Porto Alegre onde tenho diversos amigos, eles acompanham todas as notícias de Piratini através destes blogs. Eles ficam muitas vezes 3, 4 horas aqui na Câmara sem ganhar nada", exaltou.

Representando a Mesa Diretora, o presidente da Casa, Renan Cunha (PDT), enalteceu também a proposta. O progressista Gilson Gomes discorreu sobre o projeto. "Eu confesso que não tinha esse costume de acessar diariamente os blogs. Agora, eu procuro acessar para ficar atualizado em relação as notícias de nosso município, região e estado. O trabalho de vocês não tem horário, muitas vezes na noite, madrugada, mas sempre fazê-lo com excelência", engrandeceu.

Marcial Guastucci (PMDB) lembrou da importância do CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica). "Quero reiterar que se caso algum não tiver o CNPJ, que providencie, pois se algum não tiver de fato, servirá meramente como uma homenagem", ressaltou.

O peemedebista Cláudio Dias também saudou Sérginho pelo projeto. Em aparte, Morales concluiu as falas, salientando alguns dos empecilhos de se trabalhar com comunicação. "Eles colocam o nome a disposição. As vezes são hostilizados, ofendidos e até ameaçados. O trabalho do Nael e do Tainã é muito importante", avaliou.

Escute abaixo, a íntegra da discussão e aprovação dos projetos.

Macega faz grave denúncia e aponta ilegalidade em atuação de funcionários

 Servidor enviou mensagem no perfil do parlamentar delatando problema.
O vereador peemedebista Marcial Lucas Guastucci usou do grande expediente da sessão ordinária desta terça-feira (16), para fazer uma grave denúncia acerca da atuação de funcionários contratados para a conclusão de obras no município.

No mês maio, a Câmara de Vereadores aprovou e o prefeito Vilso Gomes (PSDB) sancionou, um projeto de origem executiva que permitia a contratação temporária de 20 pedreiros, 10 operários e 1 mestre de obras, por um período de 6 meses, podendo ser prorrogado por igual período, com carga horária de 44 horas semanais. Chamou atenção na oportunidade, que o salário do mestre de obras seria de R$ 6.330,00, considerado elevado pelos opositores.

De acordo com Macega, foi recebida por ele uma mensagem de um destes servidores contratados, que elucidava a situação. Na mensagem, o delator informava que mesmo recebendo pelos supostos serviços prestados à Prefeitura, na realidade estava prestando um trabalho particular para o mestre de obras. 

"Vou ler na íntegra o que publicaram na linha do tempo do meu Facebook: O Macega, queria te perguntar uma coisa, será que podemos trabalhar para o seu Afonsinho, se estamos trabalhando para a Prefeitura? Como pode isso né! Se quiser olhar é só dar uma passadinha na obra perto do Bruninho mecânico. Se você entendeu muito obrigado. Acho que isto não está certo, pois vim para trabalhar para a Prefeitura e não para ele próprio; já o salário dele é absurdo. Estamos hoje fazendo uma laje, por favor não diz que eu falei. Acho que não está certo. Passa lá e tira umas fotos, hoje abaixo da Ponche Verde", descreveu Macega.

"Passei isto aqui para o delegado e ele foi e fotografou as pessoas para fazer o processo. Encontrou funcionários do município, onde encontrou o mestre de obras no local. [...]. O delegado e os inspetores foram até a creche da Vila Nova, que estava sem um funcionário lá. Aprovamos nesta Casa, lei para trabalhar na creche da Vila Nova", ressaltou.

"Alguém responsável pela Secretaria de Obras teve saber. Se isso está realmente acontecendo, devemos tomar alguma atitude. Os policiais passaram nas duas obras e na famosa creche da Vila Nova não tinha ninguém trabalhando. Já na outra particular, abaixo da Ponche Verde, naquela rua perto das piscinas, essa obra estava em andamento com diversas pessoas, entre elas o mestre de obras. Se for verdade e eu acredito que seja, é um absurdo do município não fiscalizar", criticou Guastucci.

O líder de oposição, Cláudio Dias (PMDB), reforçou algo que avaliou como "descaso e forma equívoca como o município é administrado". "É lamentável que isto esteja acontecendo. Precisamos averiguar e tomar as devidas providências", ponderou. 

Gilson Gomes (PP), que lidera a base de Governo, disse que a situação é séria e merece atenção. Ele sugestionou que o mestre de obras fosse chamado para prestar esclarecimentos à Casa Legislativa. A presidência da Câmara acatou o pedido do progressista.

Contatamos o delegado titular de Piratini, Maurício Sampaio, que ateve-se a dizer que não falaria nada a respeito do caso.

Cultura e arte no Tributo à Barbosa Lessa

Luiz Carlos Barbosa Lessa completaria 85 anos de idade no sábado passado (13).
O saudoso piratiniense Luiz Carlos Barbosa Lessa, foi homenageado em um evento realizado no antigo Palácio do Governo durante o último sábado (13), pela Associação de Turismo Jovem Tur, em conjunto com com a Secretaria de Cultura, Turismo, Desporto e Lazer.

No dia 13 de dezembro, Barbosa Lessa completaria 85 anos de vida, o que motivou a idealização de uma festividade, nomeada "Tributo à Barbosa Lessa". Durante o evento, houveram diversas apresentações artísticas e culturais.

Juarez Machado de Farias foi o primeiro a manifestar-se, sublimando a trajetória do homenageado. Ulteriormente, foi a vez do secretário de cultura e turismo, Diego Espíndola, subir ao palco e interpretar algumas canções de Barbosa Lessa e outras, de autoria própria.

O CTG Guapos da Querência, da cidade de Rio Grande, também compareceu engrandecendo a programação artística da tarde.  Dentre outras grandes atrações, Enilton Vigorito, declamou uma poesia autoral sobre a vida de Barbosa Lessa, Maria Luiza Ferran, cantou várias músicas, e a invernada do CTG Raízes da Tradição, do Instituto de Educação Ponche Verde, dançou canções típicas do folclore regional.

Através de seu perfil na rede social Facebook, o presidente da Associação de Turismo Jovem Tur, Eliane Peroba Cardoso, agradeceu a participação de todos e avaliou o resultado do evento. "Quero exprimir os nossos sinceros agradecimentos aos artistas locais que abrilhantaram o Tributo à Barbosa Lessa com seus talentos em poesia, musicas e danças. Obrigado a população piratiniense que prestigiou essa justo homenagem a este filho de Piratini", exprimiu.

Confira abaixo, a íntegra da poesia de autoria do piratiniense Enilton Vigorito.
Luís Carlos Barbosa Lessa foi um gaúcho sem igual,
Merece destaque especial,
E deve ser lembrado com muito civismo,
O tempo não apaga jamais,
As façanhas de um taura honrado que defendeu seus ideais,
E tornou – se Pai do Tradicionalismo.

Com os companheiros Paixão Cortes e Glaucus Saraiva e outros demais
A história do tradicionalismo começa,
Mestre, visionário Barbosa Lessa,
Transformou a história gaúcha num ritual sagrado,

Pesquisou nos arquivos do passado,
Resgatou nossa identidade, enalteceu nossa cultura,
Através da dança de invernada, da criação de C.T.Gs e do acendimento da
chama criola, legado que segue para as gerações futuras.

Em toda sua trajetória, fez história
Escreveu muitos livros, poemas e canções sem receio,
Como o clássico “Negrinho do Pastoreio”,
O pensamento distante vai,
Quando escutamos o “Quero - quero ou Balseiros do Rio Uruguai,”
Em seus dialetos campeiros,
O poema “Meu Cusco Oveiro”.

O “Cântico de São Sepé,”
Estampa o talento desse gaúcho de fé,
Que em favor as tradições foi um eterno guerreiro.

Fez nossa cultura ser conhecida em todo o universo,
Seja na arte da dança na culinária, prosa e verso,
Ou na estampa de um gaúcho bem pilchado,
Barbosa Lessa nos deixou como herança esse legado,
Temos a obrigação de cultuar e tocar à adiante,
Os costumes e valores do Rio Grande Sul são diferentes,
E devem ser por todos nós preservados.

Barbosa Lessa foi sim, um ícone, um pioneiro,
Gaúcho de Piratini chão altaneiro,
Onde a tradição faz seu parador,
Berço do mestre, doutor,
Idealizador desse cenário,
Letrado com enorme vocabulário,
E com alma gigante,
Foi é e será importante,
Estará sempre vivo em nossa memória,
As obras e os feitos de Barbosa Lessa mexe com o nosso sentimento,
Enriquece nosso conhecimento,
E engrandece as nossas tradições e a nossa história.

Biografia de Barbosa Lessa extraída da Página do Gaúcho.
Nasceu em 13 de dezembro de 1929, numa chácara nas imediações da histórica vila de Piratini (capital farroupilha), RS. Devido à dificuldade para cursar uma escola regular, teve de aprender as primeiras letras e quatro operações com sua própria mãe, a qual, ao se improvisar de professora, também lhe ensinou teoria musical, um pouco de piano e, inclusive, uma novidade na época chamada datilografia.

Indo cursar o ginásio na cidade de Pelotas (Ginásio Gonzaga), aos doze anos fundou um jornal escolar ("O Gonzagueano"), em que publicou seus primeiros contos regionais ou de fundo histórico. E também fundou o conjunto musical significativamente denominado "Os Minuanos" (uma das tribos indígenas no velho Rio Grande do Sul), que pretendia se especializar em música regional gaúcha mas que, por inexistência de repertório àquela época, teve de se conformar com o gênero sertanejo e um tanto de música urbana brasileira.

Para cursar o 2º grau colegial, transferiu-se para Porto Alegre, ingressando no Colégio Júlio de Castilhos. Aos dezesseis anos de idade já colaborava para uma das principais revistas brasileiras de cultura ("Província de São Pedro") e obteve seu primeiro emprego como revisor e repórter da "Revista do Globo".

No ano seguinte participou da primeira Ronda Crioula/Semana Farroupilha e, munido de um caderno de aula para coletar assinaturas de eventuais jovens que se interessassem pelo assunto, tomou a iniciativa para a fundação do primeiro Centro de Tradições Gaúchas (CTG), o "35".

Nesta agremiação ele retomou seu interesse pela música regional e, na falta de repertório, foi criando suas primeiras canções, tais como a toada "Negrinho do Pastoreio" - hoje um clássico da música regional gaúcha.

Bacharel pela Faculdade de Direito de Porto Alegre (UFRGS), 1952.
Formando com seu amigo Paixão Côrtes uma abnegada dupla de pesquisadores, de 1950 a 1952, realizou o levantamento de resquícios de danças regionais e produziu a recriação de danças tradicionalistas. Resultado dessa pesquisa da dupla foi o livro didático "Manual de Danças Gaúchas" e o disco long-play (o terceiro LP produzido no Brasil) "Danças Gaúchas", na voz da cantora paulista Inezita Barroso.

Incentivou a realização do Primeiro Congresso Tradicionalista do Rio Grande do Sul, levado a efeito na cidade de Santa Maria, em 1954, quando apresentou e viu aprovada sua tese de base socióloga "O Sentido e o Valor do Tradicionalismo", definidora dos objetivos desse movimentos.

Em 1956 montou um grupo teatral para apresentação de sua comédia musical "Não te assusta, Zacaria!", e saiu divulgando as danças e os costumes gauchescos por todas as regiões do Rio Grande do Sul, colhendo aplausos também nas cidades de Curitiba e São Paulo.

Residiu na capital paulista até 1954, envolvido com produção de rádio, televisão, teatro e cinema, detendo-se finalmente na área de propaganda e relações públicas. Chefe de grupo-de-criação da Jr. Walter Thompson Publicidade e chefe de relações-públicas do Banco Crefisul de Investimentos.

Voltou a Porto Alegre em 1974, já como especialista em Comunicação Social, tendo trabalhado na Mercur Publicidade e Companhia Riograndense de Saneamento, CORSAN. Aposentou-se como jornalista em 1987.

Entrementes, na administração de Amaral de Souza, foi Secretário Estadual da Cultura, tendo então idealizado para Porto Alegre um centro oficial de cultura acadêmica, que veio a pré-inaugurar em março de 1983: a Casa de Cultura Mário Quintana.

Mantinha pequena reserva ecológica no município de Camaquã, onde residia com sua esposa Nilza, dedicada à produção artesanal de erva-mate e plantas medicinais. Filhos: Guilherme, analista de sistemas, residente em Porto Alegre e Valéria, casada com norte-americano e residente no estado de New Jersey, USA.

Teve destacado nome na música popular e na literatura. Dentre suas músicas, sempre de cunho gauchesco, destacam-se "Negrinho do Pastoreio", "Quero-Quero", "Balseiros do Rio Uruguai", Levanta, Gaúcho!", "Despedida", bem como as danças tradicionalistas em parceria com Paixão Côrtes.

E numa bibliografia de cerca de cinqüenta títulos, destacam-se os romances "República das Carretas" e "Os Guaxos" (prêmio 1959 da Academia Brasileira de Letras), os contos e crônicas de "Rodeio dos Ventos", o ensaio indigenista "Era de Aré", a tese pioneira "O sentido e o Valor do Tradicionalismo", o ensaio "Nativismo, um fenômeno social gaúcho", "Mão Gaúcha, introdução ao artesanato sul-rio-grandense", o álbum em quadrinhos "O Continente do Rio Grande" (com desenhos de FLávio Colin) e os didáticos "Problemas brasileiros, uma perspectiva histórica"", "Rio Grande do Sul, prazer em conhecê-lo", e "Primeiras Noções de Teatro". Também os dois volumes do Almanaque do Gaúcho.

Luiz Carlos Barbosa Lessa faleceu em Camaquã, no dia 11 de março de 2002.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Alex Guerreiro irá a Júri Popular nesta quarta-feira (17)

Réu teria desferido duas facadas em Alisson Barbosa Souza, namorado de sua ex-companheira Charlene Madruga dos Santos.
O Tribunal do Júri de Piratini julgará uma tentativa de homicídio ocorrida na rua Honório Machado, bairro Cancelão, por volta das 6 horas da manhã do dia 9 de novembro de 2013.

Na oportunidade, o denunciado Alex Sandro Guerreiro da Silva, 34 anos, ex-companheiro de Charlene Madrugada dos Santos, 33, teria adentrado na casa de Charlene, desferindo duas facadas que atingiram respectivamente o punho esquerdo e as costas de Alisson Barbosa Souza, 19, que dormia no quarto com sua ex-namorada.

O crime teria sido praticado por ciúmes, o que configura o motivo torpe. Outrossim, dificultou a defesa da vítima, uma vez que a mesma encontrava-se  dormindo na hora do fato. Posteriormente ao episódio, Alex voltou a enviar mensagens de texto ameaçando Charlene, o que motivou a Polícia a solicitar a prisão preventiva do acusado.

Silva ficou foragido por um  pequeno período, sendo capturado na cidade vizinha de Pinheiro Machado a 9 de dezembro de 2013. Ele foi recolhido ao Presídio Regional de Canguçu, onde encontra-se até o momento.

Na fase das audiências judiciais, o acuso afirmou que os fatos não ocorreram conforme descrito. Disse que ainda era companheiro de Charlene e, ao chegar em casa deparou-se com Alisson deitado em sua cama junto com Santos. Segundo o réu, a vítima teria partido para as vias de fato, obrigando-o a repelir a agressão com uma faca  que se encontrava na cabeceira da cama.

Por sua vez, Alisson narrou que estava dormindo quando foi atingido. Disse ainda, que apenas havia "ficado" com Charlene naquela noite, pois não eram namorados e ele nunca havia sido ameaçado por Alex Sandro.

Atendendo a denúncia do Ministério Público, o juiz da Comarca de Piratini Alejandro César Rayo Werlang proferiu sua decisão, determinando que o acusado fosse submetido a julgamento pelo Tribunal do Júri, o qual tem a competência para julgar crimes dolosos contra a vida.

O Júri Popular de Alex Sandro Guerreiro da Silva acontecerá na próxima quarta-feira (17), com início às 9h30min, na Associação Atlética do Banco do Brasil (AABB). 

domingo, 14 de dezembro de 2014

Mãe de adolescente que reagiu a abordagem policial é enquadrada por desacato

O menor de iniciais G.D.S., 17 anos, proferiu ameaças contra policiais e imprensa.
Uma abordagem rotineira da Brigada Militar por volta das 23h deste domingo, culminou em um grande tumulto na praça Inácia Machado da Silveira, o Palanque.

O fato sucedeu-se pois um dos 7 jovens abordados, reagiu a ação policial com palavras de baixo calão, xingamentos e ameças aos brigadianos. Motivados pela explosão do jovem G.D.S., 17 anos, a BM lhe apreendeu, causando alvoroço entre os demais jovens.

Neste momento, a mulher de iniciais E.J.U.D., mãe do adolescente apreendido intrometeu-se na abordagem, tendo uma atitude exaltada com os policiais, que também a enquadraram pelo crime de desacato. 

A imprensa que fazia-se presente também sofreu ameaças do jovem detido, bem como de um comparsa que havia sido abordado. As ameaças serão registradas na Delegacia de Polícia, que tomará as medidas legais viáveis. 

Ulteriormente de serem conduzidos até a DP onde foi registrado um Boletim de Ocorrência, tanto mãe quando adolescente foram liberados.

A Polícia orienta que em hipótese alguma reaja-se a uma abordagem policial, pois a mesma é totalmente assegurada pela lei, visando a segurança pública dos munícipes.

Foto: Tainã Valadão/Reprodução

sábado, 13 de dezembro de 2014

Barbosa Lessa será homenageado em evento de hoje (13)

"Tributo à Barbosa Lessa", já tem diversas atrações confirmadas.
Terá início ás 19 horas deste sábado (13), o evento intitulado "Tributo à Barbosa Lessa", alusivo a grandiosa história do saudoso piratiniense Luiz Carlos Barbosa Lessa.

Organizado pela Associação de Turismo Jovem Tur, a festividade já tem diversas atrações confirmadas, como a apresentação de músicos, poetas, invernadas, e shows artísticos. O evento ocorre na Secretaria de Cultura, Turismo, Desporto e Lazer, edificação onde funcionou o Palácio do Governo na época da Guerra Farroupilha. 

Conforme a presidente da Associação Jovem Tur, Eliane Peroba Cardoso, a festividade tem como intuito enaltecer a trajetória de Barbosa Lessa. "O evento é uma forma de homenagear esse ilustre filho de Piratini, que estaria de aniversário hoje", comentou.


Breve biografia de Barbosa Lessa
Em 2014 fizeram doze anos da morte do escritor e militante cultural Luiz Carlos Barbosa Lessa. Lessa foi um dos personagens mais importantes da cultura gaúcha dos últimos tempos. Em sua obra procurou recuperar a memória da cultura regional da qual os rio-grandenses estavam distantes.

Lessa nasceu em 1929 na Capital Republicana Farroupilha. Sua infância e adolescência foram imersas num distante mundo rural em que ainda subsistia o gaúcho “autêntico”. Criou-se em meio aos peões, ginetes, tropeiros e domadores como o Negro Donato. Numa Praça de Piratini brincava à sombra do busto de Bento Gonçalves. Quando aos dez anos se viu obrigado a partir para terras “ajenas”, foi para a metrópole regional, Pelotas, fazer o ginasial. No Ginásio Gonzaga, junto com primos e pirantinenses amigos de infância, entregou-se a duas paixões que seriam da vida inteira: a música e a literatura. Ao formar, no Gonzaga, o Grupo de música “Os Minuanos” percebeu que o seu domínio de um repertório regional gauchesco não passava de três ou quatro músicas. Isso foi para ele o primeiro indicio de como a cultura regional estava relegada. O grupo “Os Minuanos” teve vida curta. Já o jornalzinho do Grêmio da Escola fundado por ele, O Gonzagueano, durou por décadas.

Ao chegar em Porto Alegre, aos quinze anos, foi estudar no Colégio Júlio de Castilhos. Lá perguntava aos colegas onde ficava a estátua de Bento Gonçalves, ninguém soube dizer. Uma boa parte deles nem sabiam quem era o tal de Bento das quantas. Era a geração Coca-cola. Quando do traslado dos restos mortais de Canabarro para Porto Alegre foi que encontrou seus pares. Eram aqueles meninos que, como ele, sentiam-se alijados de sua ancestralidade. Daí a militância cultural de Lessa deu um novo pulo. Estudou a História do Rio Grande, pesquisou suas danças e costumes, escreveu músicas e junto aos amigos fundou o movimento tradicionalista. Entrou para Faculdade de Direito, formou-se, entregou ao pai o diploma e nunca mais quis saber das leis. 

A falta de oportunidades e a curiosidade de ver o mundo o levaram para São Paulo. Em São Paulo conviveu com os modernismos do mundo, atuando em cinema, rádio e na mais nova e revolucionária forma de comunicação: a TV. Seu instinto de pesquisador, entretanto, não foi domado. Percorreu o país registrando as festas populares. Para a TV foi produtor e criou programas de divulgação das culturas regionais. Continuou compondo e suas músicas foram gravadas por, entre outros, Luis Gonzaga e Inezita Barroso, que seria, desde então, uma grande amiga sua. De São Paulo orientava o Movimento Tradicionalista que ajudara a criar. Escreveu peças teatrais, entre as quais ficou mais famosa a Não Te Assusta, Zacarias de 1956. Fez o curso de Pós-graduação na Escola Livre de Sociologia e Política (ELSP). Sua capacidade de dirigir o Movimento se reforçou com esses conhecimentos acadêmicos dentro da área sociológica. Depois disso atuou por muito tempo como publicitário onde chegou a Chefe de grupo-de-criação da Jr. Walter Thompson Publicidade e chefe de relações-públicas do Banco Crefisul de Investimentos. Trabalhou como consultor de costume no filme Ana Terra em 1953, da Vera Cruz, no Sobrado em 1956 onde foi consultor, compôs trilha e fez uma ponta como o morto do poço. Trabalhou como ator também no filme Chão Bruto de Dionísio Azevedo. Em São Paulo escreveu Os Guaxos, que lhe rendeu o Prêmio de Romance do Ano, 1959, da Academia Brasileira de Letras, sendo premiado pela mesma Obra pela Academia de São Paulo. Aqui seu romance foi recebido com fria indiferença. 

Em 1974 voltou para Porto Alegre onde trabalhou na CORSAN. Foi nomeado por Amaral de Souza Secretário da Cultura em 1980. Em 1983 fundou a Casa de Cultura que em 1987 passou-se a chamar Casa de Cultura Mário Quintana. Em nenhum momento deixou de escrever para jornais ou compor. No último período de sua vida voltou ao ventre da Pampa indo residir na região rural a 30 km de Camaquã com sua Nilza. O Sítio tem o nome de Água Grande devido à bela cachoeira ai existente. Seu espírito inquieto estava sempre aprontando novos projetos. No pequeno Sítio resolveu produzir erva mate, já que estava cercado de gigantesca árvores da IlexParaguayensis. Na José Bonifácio, Rua do Bric, organizou com outros produtores independentes a “Feirinha Ecológica do Bom Fim”. Era possível encontrar esse verdadeiro titã da Cultura Regional rio-grandense ali todos os sábados vendendo sua erva mate e os travesseiros aromáticos feitos por Nilza. Lessa escreveu mais de 60 dos mais diversos gêneros de peças teatrais a quadrinhos, em que fazia os roteiros. 

Giovanni Mesquita
SEDUC/SEDAC – FIGTF
Comitê de Transversalidade Governamental

Petista vislumbra presidência da Câmara em 2015

Conforme acerto entre situacionistas, Lourenço de Souza será eleito como presidente da Câmara.
Ainda em seu primeiro mandato como vereador, o petista Lourenço de Souza provavelmente tenha uma oportunidade almejada há muitos anos por alguns parlamentares com assentos antigos na Casa, o de presidir a Câmara de Vereadores.

Com 47 anos, o único e inédito representante do Partido dos Trabalhadores no Parlamento de Piratini, foi o "fiel da balança" para decidir se situação (PP e PDT) ou oposição (PMDB), teriam maioria na Câmara. Lourenço optou pela base de situação, avaliando que lá teria maiores vantagens e poderia dar uma resposta mais eficaz à população piratiniense.

Sua escolha de apoio aos aliados do prefeito tucano Vilso Gomes foi muito conturbada no início, culminando em uma desfiliação em massa de 23 integrantes do Partido, inclusive do então presidente Gabriel Barcelos, em meados de setembro do ano passado. Todavia, sua participação trouxe diversos benefícios para o município, como a integração de Piratini no Cideja (Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental dos Municípios da Bacia do Rio Jaguarão).

Em cada final de ano, é feita uma sessão extraordinária para eleição da nova Mesa Diretora da Câmara de Vereadores. Até o momento esta legislatura já teve dois presidentes: Manoel Rodrigues (PP) em 2013, e Renan Cunha (PDT) neste ano.

Lourenço de Souza integrou como vice-presidente as duas Mesas Diretoras empossadas. Contudo, em 2015 ele vislumbra assumir a presidência da Câmara, lançando na sessão ordinária da última quarta-feira (10), a chapa encabeçada por ele, que tem como vice-presidente Sérgio Castro (PDT), 1º secretário Gilson Gomes (PP) e 2º secretário Manoel Rodrigues.

Ele elucidou que desde o começo do mandato houve um acerto entre os vereadores de situação, que definiu quem seriam os presidentes da Casa. O acordo até o momento transcorre como previsto, sendo que após sua provável presidência em 2015, será a vez do pedetista Sérgio Castro assumir a Câmara no último ano desta legislatura.

Em entrevista ao do portal  de notícias Mundo Piratini, o presumível novo presidente, destacou quais serão suas metas estando a frente do Parlamento. Conforme ambicionou, serão feitas várias interiorizações.

"Pretendo trazer a Câmara para mais próximo da comunidade piratiniense. O meio mais propício para isto, é fazer diversas interiorizações nos cinco distritos do município. Eu acredito que é possível e vamos trabalhar para fazer ao menos uma interiorização todos os meses. Vamos ver as demandas das comunidades, trabalhando deste modo com ativa participação popular", cobiçou.

Outro importante tocante externado por Souza, foi como será visado seu relacionamento com a bancada do PMDB, opositora da Casa. "Sempre vou ser convicto em minhas decisões, independente de onde elas surjam. Seja situação ou oposição, votarei com transparência e coesão", sustentou. 

A votação para escolha da nova Mesa Diretora deve ocorrer ainda neste ano, provavelmente na mesma data das reuniões ordinárias. 

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Júri Popular inocenta acusado de tentativa de homicídio

Osvino Wagner, 43, foi absolvido pelos jurados que integraram o Tribunal do Júri.
Nesta sexta-feira (12), aconteceu no Instituto Estadual de Educação Ponche Verde, o julgamento pelo Tribunal do Júri de uma tentativa de homicídio acontecida em uma festividade da comunidade Cristo Rei, no assentamento Rubira, 2º distrito, por volta das 18h30min do dia 14 de dezembro de 2008. 

Segundo levantamento do inquérito policial, Osvino Wagner, 43 anos, teria desferido 4 tiros contra João Carlos Pereira Dias. O fato havia sido motivado por que Dias pediu para o suspeito guardar uma pistola 765, um revolver calibre 38 e um punhal que portava. 

Wagner teria ido em direção ao seu automóvel, afastando-se da vítima, quando efetuou os disparos em sua direção. Populares da comunidade conseguiram imobilizar o suspeito, recolhendo suas armas. 

O início deste júri foi com a escolha dos sete jurados que compuseram o Tribunal do Júri, e posteriormente o depoimento de Osvino Wagner, que preferiu permanecer em silêncio, deixando sua defesa nas mãos dos advogados. 

Em seguida, o Ministério Público representado pela promotora da Comarca de Jaguarão, Laura Regina Sedrez Porto, usufruiu de uma hora e meia para convencer o júri da culpabilidade do réu. 

De acordo com Porto, esse é o primeiro Tribunal do Júri na qual atua como promotora. Ela disse ter crescido em Pinheiro Machado e estar contente em poder fazer sua estreia em júris na primeira Capital Farroupilha. 

A promotora embasou suas explanações no registro de testemunhas de acusação que foram ouvidas e afirmaram que Wagner realmente efetuou os disparos com os instrumentos bélicos em direção à vítima. 

“Estou convicta da veracidade apresentada nos depoimentos pelas testemunhas que presenciaram o acontecido. Foi uma tentativa de homicídio que somente não culminou com a morte do João Carlos devido a ação de integrantes da comunidade. Pior ainda, foi o motivo fútil, pois o crime foi praticado apenas por que foi pedido que ele guardasse as armas”, sustentou. 

Vindos de Porto Alegre, os advogados Antônio Tovo e Emília Malacarne, foram incumbidos da defesa do réu. Eles tiveram igual período ao da acusação para persuadir o júri da inocência de Osvino. 

O primeiro a fazer uso da palavra, foi Antônio Tovo. Como esperado, há princípio ele retrocedeu ao momento do fato, alegando que não houve intensão de seu cliente, de matar a vítima. 

“Infelizmente o advogado que defendeu o Osvino durante todo processo foi falho e deixou de apresentar provas que comprovassem sua inocência. O ditado popular diria “contra fatos não há argumentos”, então não vou dizer que meu cliente não atirou, mas sim que não teve a intensão de acertar o João “Barulho”. Sua atitude foi somente para repelir aquelas ameaças que haviam sido feitas”, externou. 

Emília Malacarne, que integrou a defesa com Tovo, também foi contundente ao exprimir seu pensamento em relação ao fato. “Seria praticamente impossível pela distância dos disparos, que ele não acertasse ao menos um tiro”, sustentou. 

Para a advogada, o acusado foi incitado a atirar. “O João Barulho falou que o Osvino não se animaria a atirar, então para sua própria proteção necessitou fazer isto. A própria testemunha disse que alguns tiros foram em direção ao chão”, salientou. 

Ao final da fala dos defensores, o presidente do Conselho de Sentença, Alejandro Rayo Cesar Werlang, optou por uma pausa para o almoço, antes de dar sequência aos trabalhos do júri. 

No retorno das atividades, a promotora usufruiu do espaço da réplica, onde rebateu algumas informações consideradas por ela, "narradas equivocadamente pela defesa". A primeira delas seria de uma disputa com um vizinho de campo, na qual foi citado pelos advogados do acusado como sendo a vítima. “Neste caso é outro João e não a vítima, que é desconhecida neste outro processo”, analisou. 

Outrossim, a próxima alegação desbancada por Laura Regina foi sobre a mudança de cidade do réu. “Engraçado que a defesa disse que o Osvino mudou-se por que sofria ameaças, mas ele passou por diversos outros municípios depois do fato. Será que foi ameaçado em todos?”, indagou. 

Sabendo que o Ministério Público não poderia manifestar-se novamente, Antônio Tovo teceu críticas a representante da Promotoria, expressando que a mesma havia distorcido alguns fatos presentes nos autos do processo. “Por mais que Osvino tenha disparado 4 tiros, ele não queria acertar ninguém, conforme relatou a testemunha Noé. Eu não vou tentar atrapalhar os fatos, ao contrário do que a acusação fez”, exprobrou. 

O juiz togado Alejandro Werlang leu a sentença, proferindo que “o Conselho de Sentença decidiu que a intenção do Osvino não era de homicídio, ocorrendo a desqualificação do crime”. “Julguei parcialmente a denúncia, condenando o réu pelos crimes de Disparo de Arma de Fogo, fixando a pena dele em 2 anos de reclusão em regime aberto. Como ele não tem condenações criminais, sua pena pode ser substituída por duas restritivas de direito”, decretou. 

Em entrevista, Osvino disse que sempre sustentou sua inocência. “Nunca havia feito nada de errado. Estou contente, mas sigo dizendo que não fiz disparo algum”, comentou. 

A promotora Laura Porto não soube precisar se o Ministério Público recorrerá ou não da decisão. Os advogados de defesa elucidaram que haviam aceitado o caso há cerca de um mês e celebraram a aceitação da tese sustentada por eles.